A Condição dos Gentios sem Deus

Lição 6 – A Condição dos Gentios sem Deus
Texto Áureo: Efésios 2.11 Portanto, lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão feita pela mão dos homens;
Leitura Bíblica em Classe: Efésios 2.11,12; Romanos 4.12-14

Introdução: Os gentios tinham Deus, mas não sabiam que O tinham, pois na sua cegueira espiritual criavam os seus próprios deuses, mas como estes deuses não existem e o que eles pensavam que tinham, na realidade não tinham. Paulo descreve o estado anterior dos gentios, como não tendo e nesse sentido, aqueles que pensam estar adorando algo estão adorando o que realmente não existe. A circuncisão dos judeus era uma aliança estabelecida entre Deus e Abraão, quando aos noventa e nove anos de idade esta foi firmada, porém com a nova aliança estabelecida por Cristo essa aliança ficou obsoleta. Em Atos capítulo quinze está escrito sobre um concílio em Jerusalém para tratar de questões sobre a insistências de alguns judeus em manter algumas exigências da lei cerimonial e, entre elas foi discutido sobre a circuncisão, porém o veredito foi não haver mais necessidade dessa prática. Os cristãos judeus procuravam de toda forma persuadir os cristãos gentios que precisavam ser circuncidados, para que pudesse ter direito de fazer parte da descendência de Abraão e Paulo procura exorta-los com um esclarecimento correto a respeito dessa questão.
1. As lembranças de que éramos carnais não pode ser esquecida.
Efésios 2.11 Portanto, lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão feita pela mão dos homens;
Quando a aliança de Deus com Abraão foi estabelecida, havia nesse caso a distinção entre judeus e gentios, não que o Senhor manteria essa distinção, pois o propósito do Senhor era que os judeus testificasse do seu amor para os gentios. Acontece que os judeus não cumpriram isso e acabaram se vangloriando e desprezando os gentios. Os mestres judeus combatidos por Paulo insistiam que a circuncisão e a obediência à Lei eram necessárias para a salvação, como também para tornar o cristão mais espiritual. Existem ainda em nossos dias algumas corporações religiosas com idéias legalistas impondo doutrinas de costumes que são totalmente contrárias a palavra de Deus. A circuncisão era um sinal da aliança com Deus, que embora fosse uma operação física, possuía significado espiritual. Assim os judeus focavam mais o sentido físico dessa prática do que o sentido espiritual e uma simples operação física não pode transmitir a graça espiritual. “Colossenses 2:11 No qual também estais circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despojo do corpo dos pecados da carne, pela circuncisão de Cristo;“
2. Não tínhamos Cristo; cidadania; alianças; esperança nem Deus.
Efésios 2.12 Que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo.
A situação anterior dos gentios antes da conversão a Cristo era algo extremamente desalentador. A cidade de Éfeso, se tratando de um lugar onde o paganismo imperava, a inclinação do povo era para a idolatría, onde viviam com uma fé enganosa, pois sem Cristo o estado do homem é de condenado. Em outro tempo era Israel que estava debaixo de leis e de bênçãos e isso não se aplicava a nenhum gentio, porém através de Cristo ganhamos a cidadania celestial. Também em outro tempo não havia aliança com as nações gentias, mas Cristo estabeleceu uma nova aliança no Seu sangue. Não havia esperança, pois os que seguiam as vãs filosofias não encontravam algo consistente que pudessem firmar a sua fé e procuravam assim uma mensagem de esperança mas também não conseguiam achar, pois elas não existiam. Também não tinham o Deus verdadeiro para se firmar e, embora ouvissem falar desse Deus não tinham interesse em conhecê-lo dando preferência ao politeísmo. Só através de Cristo é que pode haver a reconciliação com o Deus Pai.
3. A condição de salvação aos gentios é sem base na circuncisão.
Romanos 4.12 E fosse pai da circuncisão, daqueles que não somente são da circuncisão, mas que também andam nas pisadas daquela fé que teve nosso pai Abraão, que tivera na incircuncisão.
Abraão foi justificado ainda incircunciso, sinal que apontava para os gentios. Em todo período patriarcal  eles não estavam debaixo de lei, pois a lei foi entregue por Deus a Moisés no monte sinai quando o povo caminhava no deserto. Abraão foi o primeiro patriarca e foi com ele que Deus estabeleceu essa aliança, a qual envolvia como um selo, a circuncisão. Portanto Abraão não estava na lei, mas na graça, o que já apontava que os povos gentios também estavam incluídos no grande plano de salvação estabelecido por Deus, lá no jardim do Éden, após a queda de Adão. Não se pode esquecer que no período da Lei, houve gentios que se converteram ao Senhor, tais como, Naamã, Rute e Raabe, os quais não faziam parte da linhagem dos hebreus. 
4. A lei não salvava, apenas conduzia o povo em direção à justiça.
Romanos 4.13 Porque a promessa de que havia de ser herdeiro do mundo não foi feita pela lei a Abraão, ou à sua posteridade, mas pela justiça da fé.
A obediência a lei não estava em questão para a promessa ser concretizada, como defendia os judeus, pois a promessa fora feita a Abraão muitos anos antes de a lei ser promulgada. Abraão não foi salvo pela lei e sim pela graça, a qual foi estendida para todos os povos. Quando o Senhor prometeu a Abraão que a sua descendência seria como as estrelas do céu e como as areias do mar, Ele se referia a dois povos, um celestial e outro terreno. Desse modo, podemos entender que os últimos serão os primeiros, pois foi dado oportunidade a todos os povos da terra de serem a igreja corpo do Senhor, o povo como as estrelas do céu, e a Israel a oportunidade do reino milenar, o povo como as areias do mar.
5. A lei não abre o caminho da salvação, só conduzia a promessa.
Romanos 4.14 Porque, se os que são da lei são herdeiros, logo a fé é vã e a promessa é aniquilada.
A promessa dizia que todas as famílias da terra seriam abençoadas e, é em Cristo o principal descendente, pois se encarnou em estado de perfeita pureza, é que somos abençoados quando o abraçamos. E se somos de Cristo, então também somos descendentes de Abraão e herdeiros segundo a promessa. Assim, Israel será herdeiro no reino terreno e a Igreja no reino espiritual. Quem tenta ou insiste em manter algumas obrigações das leis cerimoniais, ou mesmo utilizando réplicas de utensílios usados nos rituais levíticos, na realidade corre o risco de perder a promessa e não herdar nada. A lei foi dada para mostrar o pecado, pois antes da lei o pecado não era imputado, mas com a lei o pecado passou a ser imputado. Assim através da lei veio o pleno conhecimento do pecado e quem peca transgredindo a lei suscita a ira de Deus. A fé do patriarca Abraão seria inútil, se a promessa que Deus fez para ele fosse abolida pela lei e Paulo mostra aos cristãos que não foi; e os gentios ao se converterem a Cristo passam a pertencer ao povo de Deus em igualdade de circunstâncias, espaço esse, que não era definido pelas leis judaica.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

Deixe um comentário