A Natureza do Ser Humano

A Natureza do Ser Humano
Lição 3 – 19 de Janeiro de 2020
Texto Áureo: 1 Tessalonicenses 5.23 E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.
Leitura Bíblica em Classe: Gênesis 1.26-28;2.7

Introdução
: A natureza do homem envolve assim como a bíblia declara, que se constitui de espírito; alma e corpo, portanto trata-se de um ser tricotômico e não existe outra explicação ou teoria contrária que o homem queira impor ao contrário. Nesse caso, a tricotomia envolve um ser constituído de espírito gerado por Deus, de um corpo material feito por Deus e de uma alma que é o elo de ligação entre o corpo e o espírito. Assim a natureza do homem é celestial, sendo o espírito gerado e o corpo feito por Deus, que é um Ser divino e dotado de uma alma para dar vida ao corpo e ser o elo de ligação. Sendo o homem um espírito, ele foi dotado da capacidade de ter consciência, comunhão e intuição e pode comunicar-se com Deus dentro das Suas condicionais, pois não se chega a Deus de qualquer maneira. Sendo a alma um atributo do homem, ela serve para que ele tenha consciência de si mesmo, sendo que é dotada de intelecto; vontade e emoções. Já o corpo sem o espírito e alma, seria apenas uma matéria morta, mas como ele tem, o ser espírito e o atributo alma, então é uma matéria viva. O meio de comunicação que a alma usa para com o lado exterior é com os cinco sentidos do corpo, ou seja: visão; audição; olfato; tato e paladar, os quais podem ser chamados das cinco janelas da alma.

1 – Deus fez o homem sem ter qualquer semelhança ao reino animal.
Gênesis 1.26 E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.
O homem é um ser distinto, sem similaridade com qualquer animal criado por Deus. Todos eles são tal e qual como Deus os criou, sem qualquer mutação ao longo do tempo o que contraria a teoria da evolução. Portanto o homem descende de Deus sendo colocado como a obra prima de Dele dotado de corpo, alma e espírito. Nesse caso ele é um espírito, coisa que nenhum animal pode ser. Fica bem claro que o animal, quando morre acaba a sua existência, ao contrário do homem que por ser um espírito; ele é imortal. O que é mortal no homem é o seu corpo de carne, o qual após o pecado original se tornou corruptível saindo da imortalidade física para a mortalidade e nesse caso por ter vindo do pó, quando morre volta ao pó. (E o corpo volta ao pó e o espírito volta a Deus que o deu). Assim o espírito que é o ser fica na mãos de Deus, para decidir o seu destino, ou seja, se é salvo vai para as dimensões celestiais e se é pecador vai para as dimensões infernais. Deus deu o livre arbítrio para o homem decidir onde quer passar a eternidade, pois a morte é um novo começo no reino espiritual, ou seja um novo começo de felicidade eterna ou, um novo começo de tormento eterno.
2 – Deus criou o casal com a Sua imagem mental, moral e espiritual.
Gênesis 1.27 E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.
Deus um Deus trino, de uma mesma essência constituída por três personagens distintos, o Deus Pai; o Deus Filho e o Deus Espírito Santo, que formam a trindade divina. Como o homem também é um espírito gerado por Deus, no momento da sua concepção fica claro que a sua imagem, não se trata do corpo material e sim do corpo espiritual. Quando falamos a palavra Deus sem identificar um dos três personagens estamos nos referindo a trindade divina. Portanto se quisermos nos dirigir a um dos três é só identificar, se é o Pai, o Filho ou o Espírito. Agora, à imagem de Deus significa, a imagem dos três personagens e nesse caso podemos afirmar que o espírito do homem é triúno pois ele se constitui da personalidade do Deus Pai, do Deus Filho e do Deus Espírito Santo. Assim a natureza espiritual do homem salvo em Cristo deve se aperfeiçoar com os atributos desses três personagens triúnos.
3 – Deus fez o homem e abençoou para que seja ativo e não passivo.
Gênesis 1.28 E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra.
O homem recebeu de Deus uma concessão de poder e habilidade para sujeitar e dominar todos os seres criados que compõem o reino animal, tanto da terra, do ar e do mar. Ao homem foi delegada essa autoridade, mas com subordinação total a Deus e com a responsabilidade de prestação de contas a Ele. Ganhou o direito de se usar os frutos da vida vegetal para a sua alimentação, porém deveria cuidar e cultivar tudo que foi posto ao seu dispor, não somente para ele, mas também para que a natureza suprisse todas as necessidades de todas as criaturas vivas. Essa harmonia do homem com a fauna e flora só poderia ser eficaz para ser produtiva se fosse caracterizado como uma pessoa ativa. No contexto de reino de Deus não tem espaço para pessoas passivas que não produzem as coisas como devem ser. A partir da queda do homem a natureza já não era tão generosa com o homem, quando tudo era uma fartura sem despender de muito esforço, a labuta mais pesada veio quando a terra foi amaldiçoada com cardos e espinhos por causa do pecado.
4 – Deus deu forma ao homem e soprou a alma para que tivesse vida.
Gênesis 2.7 E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.
É fascinante saber que o corpo do homem formado do pó, se compõe de elementos químicos que estão presentes na argila usada por Deus e são necessários para alimentar o corpo, mantendo-o em vida (fósforo, nitrogênio, potássio, cálcio, oxigênio, ferro, magnésio, boro, carbono e muitos outros. Lembrando que a diminuição desses elementos químicos no corpo podem causar prejuízos a saúde, por isso devem ser recompostos através de complexos vitamínicos de A a Z. Deus usou o pó de barro para moldar uma estátua com a forma que Ele planejou. Isso para mostrar a fragilidade do homem e a dependência que ele tem de Deus, não foi usado rocha, minério de ferro, ou metal, mas sim o pó da superfície da terra, muito leve e sem resistência. Esse corpo frágil já formado precisava ser animado e com um sopro Deus lhe conferiu a vida, tanto física, como espiritual. A vida física para conviver com a terra e a vida espiritual para conviver com o Criador, pois na vida espiritual é que está o princípio inteligente, onde o homem pode compreender a sua identidade pessoal, como também o poder de raciocínio evolutivo. Esse raciocínio evolutivo se voltado para Deus é que vai formando o homem a Sua imagem e semelhança.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

Deixe um comentário