ebd.com.br

13 – A velhice de Davi

A VELHICE DE DAVI

A VELHICE DE DAVI.
Lição 13 – 29 de Dezembro de 2019
Texto Áureo: 2 Samuel 23.5 Ainda que a minha casa não seja tal para com Deus, contudo estabeleceu comigo uma aliança eterna, que em tudo será bem ordenado e guardado, pois toda a minha salvação e todo o meu prazer está nele, apesar de que ainda não o faz brotar.
Leitura Bíblica em Classe: 2 Samuel 23.1-7

Introdução: Para quem não tem uma morte abreviada, a velhice é o destino de todos, que indica o final de uma jornada, a qual ninguém poderá escapar disso. As escrituras nos revelam vários personagens tanto no antigo testamento, como no novo testamento, de homens e mulheres que ao partirem deixaram um legado de fé, que servem de exemplo para todos nós. O personagem em destaque aqui, é Rei Davi, conhecido como o homem segundo o coração de Deus. Após a sua morte, Davi deixou a sua história de vida registrada para a eternidade. Foi uma história que começou tranquila, com ele pastoreando ovelhas, mas que começou a mudar depois que foi ungido como Rei de Israel. Foi ungido Rei, mas tinha que conquistar a coroa e essa trajetória para essa conquista exigiu muitos obstáculos; perseguições; perigos; guerras onde sempre foi vencedor, porque fazia tudo em nome do Senhor dos Exércitos. Porém, como ninguém é perfeito, Davi também tinha as suas falhas e a mais gritante foi o adultério e o assassinato de um inocente. Teve consequências graves que atingiu os filhos, mas com um arrependimento profundo alcançou a misericórdia de Deus. Na sua velhice ele compôs muitos salmos, os quais retratam muitas situações da sua trajetória. Encerrou a carreira, mas guardou a fé e deixou um legado para as demais gerações. 
1. Tempo de viver e tempo de morrer, mas o que importa é deixar boas obras.
2 Samuel 23.1 E ESTAS são as últimas palavras de Davi: Diz Davi, filho de Jessé, e diz o homem que foi levantado em altura, o ungido do Deus de Jacó, e o suave em salmos de Israel.

Estamos fazendo obras consistentes para o reino de Deus que possam ser lembradas quando partirmos? Ou não.  Esta é uma pergunta que devemos fazer para nós mesmos, pois existe um mandado do Senhor Jesus Cristo nesse sentido, o que não pode ser negligenciado por qualquer cristão. Davi colocou os seus talentos a disposição do Senhor e se empenhou em praticá-los em todo o tempo da sua vida. O Senhor deu talentos, de acordo com a vocação de cada um e, seja um ou mais, não podem ficar enterrados, pois quem assim procede é tido como servo mau e negligente. Deus investiu em Davi e ele não o decepcionou, assim como Deus também quer investir em nós para o serviço na sua obra e não podemos decepcioná-lo. É importante que ao final de nossa vida terrena deixemos um registro das nossas experiências com Deus, as quais servirão de testemunho para aqueles que ficaram. (Eu lhes digo a verdade: Onde quer que se preguem as boas novas em todo o mundo, o que essa mulher fez também será relatado, em memória dela.” Mateus 26:10-13).
2. As boas obras caracterizam os que são preparados e ungidos do Espírito.
2 Samuel 23.2 O Espírito do Senhor falou por mim, e a sua palavra está na minha boca. 2 Samuel 23.3 Disse o Deus de Israel, a Rocha de Israel a mim me falou: Haverá um justo que domine sobre os homens, que domine no temor de Deus.

Aos ungidos pelo Espírito é delegada autoridade para liderar com temor. Só os identificados pelo temor ao Senhor, são os que demonstram um coração governado por Ele, pois quem não tem temor diante de Deus, nunca poderá ser um verdadeiro crente em Cristo. Quem é líder deve necessariamente apresentar uma liderança justa e isso é visto naquele que governa com justiça e também no temor do Senhor. Quando um líder está enquadrado nessa condição o povo é beneficiado com esse tipo de liderança, pois ela traz bênçãos divinas a todos os liderados. (Quando os justos governam, alegra-se o povo; mas quando o ímpio domina, o povo geme. Provérbios 29:2).
3. Os ungidos agem com temor e justiça e tem zelo pelo bem estar do povo.
2 Samuel 23.4 E será como a luz da manhã, quando sai o sol, da manhã sem nuvens, quando pelo seu resplendor e pela chuva a erva brota da terra.

Um líder que governa sendo justo e com uma vida no temor de Deus tem a verdadeira luz para levar o povo no caminho certo, pois é assim que todos se sentirão animados e confortados sem qualquer jugo sobre si. A Bíblia diz que os justos florescerão como a palmeira e os que verdadeiramente estão plantados no reino do Senhor, ainda na sua velhice darão frutos; viçosos e vigorosos. Esses nunca deixam de anunciar a retidão do Senhor e a sua justiça em toda a sua plenitude. (Os meus olhos estarão sobre os fiéis da terra, para que se assentem comigo; o que anda num caminho reto, esse me servirá. Salmos 101:6).
4. Quem cuida do bem estar do povo tem promessas e aliança com Deus.
2 Samuel 23.5 Ainda que a minha casa não seja tal para com Deus, contudo estabeleceu comigo uma aliança eterna, que em tudo será bem ordenado e guardado, pois toda a minha salvação e todo o meu prazer está nele, apesar de que ainda não o faz brotar.

As bênçãos de Deus prometidas e garantidas através do concerto eterno estabelecido com Davi, estão guardadas, mas só serão distribuídas através do cumprimento de condições impostas a todo Israel para um tempo ainda vindouro. A aliança que Deus fez com Davi, lhe garantia uma dinastia e um trono que apontava para a eternidade, porque era uma aliança que se cumpriria na sua íntegra em Jesus Cristo. Assim a dinastia davídica estabelecida através deste pacto teriam a sua continuidade rumo a eternidade, pois Jesus dará continuidade a essa dinastia quando começar a reinar no reino milenar. (Apeguemo-nos com firmeza à esperança que professamos, pois aquele que prometeu é fiel. Hebreus 10:23).
5. A aliança com Deus é para os fiéis, pois quem não tem, o juízo é eterno.
2 Samuel 23.6 Porém os filhos de Belial todos serão como os espinhos que se lançam fora, porque não podem ser tocados com a mão. 2 Samuel 23.7 Mas qualquer que os tocar se armará de ferro e da haste de uma lança; e a fogo serão totalmente queimados no mesmo lugar.
Todo ser que se opõe a graça de Deus e dos seus propósitos, na realidade são filhos de Belial e se não voltarem a razão expressando uma rejeição verdadeira às suas convicções descaminhadas, o destino é o fogo eterno. Todos que rejeitam a salvação oferecida nesta dispensação, são como espinhos e serão lançados fora e consumidos pelo julgamento de Deus. Quem se mantiver como pecador, não escapará do julgamento divino e serão considerados como imprestáveis, o que significa que precisam ser descartados porque se opõe às condicionais estabelecidas por Deus. Isso já preliminarmente acontecerá ao final da grande tribulação, no julgamento das nações onde o Senhor Jesus separará as ovelhas dos bodes, pois se forem deixados, irão sufocar o início de um reino de justiça e devem ser consumidos pelo fogo. (Porque eis que aquele dia vem ardendo como fornalha; todos os soberbos, e todos os que cometem impiedade, serão como a palha; e o dia que está para vir os abrasará, diz o SENHOR dos Exércitos, de sorte que lhes não deixará nem raiz nem ramo. Malaquias 4:1). 

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel