ebd.com.br

12 – A Rebelião de Absalão

A Rebelião de Absalão
Lição 12 – 22 de Dezembro de 2019
Texto Áureo: 2 Samuel 15.6 E desta maneira fazia Absalão a todo Israel que vinha ao rei para juízo; assim, furtava Absalão o coração dos homens de Israel.
Leitura Bíblica em Classe: 2 Samuel 15.1-18

Introdução: Os dissabores de um pecado gravíssimo cometido por Davi continuam sendo marcados por uma escalada de acontecimentos que trazem agruras na sua vida. Entre os já ocorridos, como a morte do filho que contraiu com Bate-Seba; o estupro de Tamar por Amnom; o assassinato de Amnom praticado por Absalão; agora surge mais uma situação extremamente grave, que é a usurpação do seu trono, por Absalão o seu próprio filho. A bíblia diz que rebelião é como o pecado de feitiçaria e, isso nos leva a entender que Absalão estava tomado pelo Diabo para levar adiante essa empreitada maligna, a fim de acabar com o reino do seu pai Davi. O tempo mostra que Davi após a grande loucura que cometeu, já não era mais tão ativo como antes e os tristes acontecimentos que se seguiram, o deixaram mais abalado ainda e isso proporcionou um lapso para o traidor agir. Algo que não pode passar despercebido é que por trás de todo indivíduo com espírito de rebelião está o Diabo influenciando, isso implica que, se aquele que está na condição de líder, baixar a guarda, pode ser subitamente surpreendido.
CARACTERÍSTICAS DE UM REBELDE
1) Gosta de se ostentar e finge profunda dedicação pelos interesses do povo.
2 Samuel 15.1 E ACONTECEU depois disto que Absalão fez aparelhar carros e cavalos, e cinqüenta homens que corressem adiante dele. 2 Samuel 15.2 Também Absalão se levantou pela manhã, e parava a um lado do caminho da porta. E sucedia que a todo o homem que tinha alguma demanda para vir ao rei a juízo, o chamava Absalão a si, e lhe dizia: De que cidade és tu? E, dizendo ele: De uma das tribos de Israel é teu servo; 2 Samuel 15.3 Então Absalão lhe dizia: Olha, os teus negócios são bons e retos, porém não tens quem te ouça da parte do rei.
Quem tem espírito de rebelião, nunca age de pronto, pois ele sempre vai preparar o terreno para ter os meios necessários para poder dar continuidade ao ato de traição que planeja. Nessa preparação, Absalão procurou com grande poder persuasivo arregimentar um grande quinhão de aliados, os quais acabaram se reunindo em torno dele passando a apoiar o seu golpe de estado. Uma das suas sutilezas era levantar questionamentos sobre a capacidade de Davi em administrar justiça entre o povo. Uma das táticas do indivíduo tomado por esse espírito de rebelião é jogar o povo contra o líder e com grande maestria procura convencer o povo que é mais capacitado para exercer a condição de líder.
2) Usa de artifícios para conquistar o apoio do povo e alcançar seus intentos.
2 Samuel 15.4 Dizia mais Absalão: Ah, quem me dera ser juiz na terra, para que viesse a mim todo o homem que tivesse demanda ou questão, para que lhe fizesse justiça! 2 Samuel 15.5 Sucedia também que, quando alguém se chegava a ele para se inclinar diante dele, ele estendia a sua mão, e pegava dele, e o beijava. 2 Samuel 15.6 E desta maneira fazia Absalão a todo o Israel que vinha ao rei para juízo; assim furtava Absalão o coração dos homens de Israel.
A partir do momento que o povo vai se inclinando para o seu lado, o traidor, percebe a oportunidade e o momento de começar a enfatizar as falhas do líder colocando dúvidas na mente das pessoas sobre ele. E desse modo que o rebelde prepara o cenário para o seu golpe traiçoeiro. O rebelde só terá condições de finalizar os seus intentos usurpadores, se ele conseguir conquistar o coração de boa parte do povo. No meio evangélico, há vários casos de indivíduos que entram por esse caminho movidos por um espírito de rebelião incontrolável. O verdadeiro líder é aquele que Deus separou para tal ofício e nenhum usurpador caso venha alcançar os seus intentos poderá ser considerado como um líder. Nesse caso o povo que segue um líder rebelde é conivente com o seu ato de rebelião.
3) É hábil na arte da persuasão usando de meios estratégicos em convencer.
2 Samuel 15.7 Aconteceu, pois, ao cabo de quarenta anos, que Absalão disse ao rei: Deixa-me ir pagar em Hebrom o meu voto que fiz ao Senhor. 2 Samuel 15.8 Porque, morando eu em Gesur, na Síria, fez o teu servo um voto, dizendo: Se o Senhor outra vez me fizer tornar a Jerusalém, servirei ao Senhor. 2 Samuel 15.9 Então lhe disse o rei: Vai em paz. Levantou-se, pois, e foi para Hebrom.
O mal intencionado sabe usar o seu poder de persuasão fazendo outros a crer que as suas intenções traiçoeiras pareçam que sejam boas intenções. Absalão nesse caso optou em ir a Hebrom com a permissão do rei, porque ali era um ponto estratégico para ele se organizar melhor para dar sequências aos seus planos de tomar o poder a qualquer custo. Tudo que Davi conquistou incluindo o coração do povo foi com muito sacrifício e serviço, mas Absalão procurou fazer de um modo mais fácil, prática essa que é observada em nossos tempos; quando fazem uso de meios enganosos para atrair o povo para si.
4) Ele procura usar pessoas chaves para dar credibilidade ao seu ato traidor.
2 Samuel 15.10 E enviou Absalão espias por todas as tribos de Israel, dizendo: Quando ouvirdes o som das trombetas, direis: Absalão reina em Hebrom. 2 Samuel 15.11 E de Jerusalém foram com Absalão duzentos homens convidados, porém iam na sua simplicidade, porque nada sabiam daquele negócio. 2 Samuel 15.12 Também Absalão mandou vir Aitofel, o gilonita, do conselho de Davi, à sua cidade de Giló, estando ele oferecendo os seus sacrifícios; e a conjuração se fortificava, e vinha o povo, e ia crescendo com Absalão.
A habilidade de um rebelde e a sua capacidade de influenciar a mente e o coração do povo serve de advertência para os líderes em nossos dias, os quais devem sempre estar atentos a qualquer situação estranha. Uma das táticas de um usurpador é ter aliados que têm alguma influência sobre o povo, pois isso contribui para dar credibilidade aos seus planos de rebelião. No meio evangélico não se caracteriza uma rebelião, quando algum oficial resolve sair do ministério, ou mesmo que venha a fundar uma congregação, desde que o faça com pacificação. A rebelião é caracterizada quando alguém tenta derrubar o líder para tomar o seu ministério.
5) O rebelde age de uma forma que o seu alvo seja sempre o último a saber.
2 Samuel 15.13 Então veio um mensageiro a Davi, dizendo: O coração de cada um em Israel segue a Absalão. 2 Samuel 15.14 Disse, pois, Davi a todos os seus servos que estavam com ele em Jerusalém: Levantai-vos, e fujamos, porque não poderíamos escapar diante de Absalão. Dai-vos pressa a caminhar, para que porventura não se apresse ele, e nos alcance, e lance sobre nós algum mal, e fira a cidade a fio de espada. 2 Samuel 15.15 Então os servos do rei disseram ao rei: Eis aqui os teus servos, para tudo quanto determinar o rei, nosso senhor. 2 Samuel 15.16 E saiu o rei, com toda a sua casa, a pé; deixou, porém, o rei dez mulheres concubinas, para guardarem a casa.
Quem tem lealdade com o líder está com ele até às últimas consequências. Embora o Diabo esteja agindo às ocultas, Deus também que não dormita e nem dormitará, pois sempre está atento agindo a favor dos seus. Deus sempre é o socorro bem presente no meio de momentos angustiantes, daqueles que o temem, para dar livramento. Quando Deus escolhe os seus ministros e os unge para tocar uma obra, ninguém alcançará êxitos sobre ele, pois ninguém toca nos seus ungidos.
6) O líder traído deve esperar o melhor momento para lançar a contra-ofensiva.
2 Samuel 15.17 Tendo, pois, saído o rei com todo o povo a pé, pararam num lugar distante. 2 Samuel 15.18 E todos os seus servos iam a seu lado, como também todos os quereteus e todos os peleteus; e todos os giteus, seiscentos homens que vieram de Gate a pé, caminhavam diante do rei.
Davi sabendo as cruéis intenções do seu filho Absalão, não quis bater de frente com ele, mesmo porque esse tinha se fortalecido muito formando um exército poderoso, o qual não seria possível enfrentar no momento. Davi procurou fazer uma retirada estratégica retirando todos os que estavam ao seu lado, para evitar um mal maior. Isso não era um sinal de covardia, mas de prudência, pois no exílio, Davi teria tempo para se reorganizar para que no momento certo pudesse lançar uma contra-ofensiva e retomar o reino usurpado. Nenhuma batalha está perdida para um líder que tem Deus na sua vida e que conta com pessoas de lealdade absoluta ao seu lado. Davi era consciente de que tudo o qual estava passando era resultado do seu pecado e, em momento algum questionou com Deus sobre isso. Porém, com uma coisa ele contava, que era a misericórdia de Deus, a qual lhe dava esperança e segurança e a certeza de que tudo lhe seria restituído. Davi nesse período crítico andou como ele retrata no Salmo 23, no vale da sombra da morte mas a bondade e a misericórdia de Deus o seguiram por todos os dias da sua vida; e pode retornar a Jerusalém para voltar a sacrificar na casa do Senhor.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel